A COR: ILUSÃO OU REALIDADE?

5o-artigo_cor

A cor é muito mais que um mero conjunto de pigmentos que se faz marcar e fica reconhecível a qualquer um, através do nosso sentido de visão – já por si, este é o sentido que mais rapidamente comunica com o nosso cérebro. É verdade que a cor marca gostos e tendências, mas mais que isso, a cor acarreta um simbolismo com valor desconhecido à maioria das pessoas, identificando características e criando necessidades, causando sensações e apelando às emoções que tão bem pensamos conhecer.

A nossa memória recebe, de forma exímia, a informação de uma determinada cor, fazendo a associação a momentos de um modo quase imediato, mesmo antes de o cérebro processar a imagem que está a observar. Assim, a atividade neuronal é determinada em conformidade com a cor observada, e desta forma podemos assumir que as cores são estímulos para a atividade psicológica, chegando mesmo a permitir-nos inferir características de personalidade daqueles com quem vamos lidando.

MAS PODE A COR ESTAR LIGADA ÀS NOSSA EMOÇÕES?

Atualmente, sabemos que cada um de nós reage à cor por influência da luminosidade, da intensidade e saturação. Mas é, também, sabido que existe todo um conjunto de significados aceite, e que este pode ser generalizado a qualquer pessoa que integre a nossa cultura. Por exemplo, ao falar na cor vermelha estaremos a apelar à agressividade, à emoção, à extroversão, à urgência, ativando assim a amígdala cerebral e o núcleo Accumbens. Ou o azul, que nos remete para sentimentos de serenidade, de preocupação ou de confiança, ativando o córtex pré-frontal do cérebro.

Com todos os dados que ao longo de décadas temos vindo a adquirir acerca do papel primordial da cor no funcionamento psíquico do Homem, hoje em dia é-nos permitido utilizar a cor como uma ciência mais complexa. A correta utilização da vasta gama de cores que temos ao nosso dispor poderá até potenciar a venda de produtos ou serviços, através de uma comunicação súbtil (mas íntima) que estabelece com  todos nós, enquanto consumidores.

 

Diana Antunes -Psicóloga Clínica

1 reply

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] Dos elementos que deverão constituir essa identidade são destacados o logótipo, manual de normas gráficas, merchandising, material promocional e estacionário. É relevante salientar que as cores escolhidas desempenharão um papel de importância vital, uma vez que despertam reações muito específicas para o recetor (poderá ler o nosso artigo sobre a Cor em https://siwenza.com/a-cor-ilusao-ou-realidade/). […]

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *